Projeto proíbe produção e comércio de plásticos que não sejam recicláveis ou biodegradáveis

02 de Janeiro de 2022

David Soares cita estimativas de mais de 20 milhões de toneladas de resíduos acabarão nos oceanos até 2030

Tramita na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável projeto que proíbe a produção e comercialização de alguns tipos de plástico que não sejam recicláveis ou biodegradáveis. São eles o polietileno de tereftalato, conhecido pela sigla PET, e o polietileno de alta densidade, o policloreto ou cloreto de vinila, o polietileno de baixa densidade e o polipropileno.

Projeto do David Soares (SP) visa ampliar a reciclagem. “A medida está alinhada com o conceito de ‘retomada verde’, modelo econômico de baixo carbono considerado por muitos países como o ideal para o mundo pós-covid. Nessa nova economia, tecnologias poluentes e de alta emissão serão substituídas por outras, modernas e mais amigáveis ao meio ambiente”, afirma David Soares.

Segundo a proposta, a fabricação de produtos com essas substâncias que não sejam recicláveis ou biodegradáveis deve ser encerradas em até 60 dias após a publicação da nova lei; a venda, em até 90 dias.

Ele cita um estudo da revista científica Science, publicado em setembro de 2020, o qual estima que mais de 20 milhões de toneladas de resíduos provenientes de polímeros acabarão nos oceanos até 2030 – o equivalente a 11% de todo lixo plástico gerado globalmente.