Petrobras tem de pensar no social e no povo, alerta deputado do Democratas

14 de Setembro de 2021

Povo é quem paga pelos “absurdos” relativos à política do gás, afirma Elmar Nascimento

Em debate na comissão geral para discutir com o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, a alta dos preços dos combustíveis, o deputado Elmar Nascimento (BA) disse que a companhia tem que pensar no social e no povo brasileiro.

“Os sócios majoritários, os brasileiros, o consumidor, o povo é quem está tendo de pagar por esse absurdo”, disse ele antes de enumerar diversas incoerências na política da estatal. “Se o gás tem um preço altíssimo é por conta da política da Petrobras”, reforçou.

Elmar Nascimento expôs que que importadores conseguem trazer gás natural liquefeito do Catar, que fica a 3.500 quilômetros do Brasil, regasificá-lo e vendê-lo a US$ 3,50. “E a Petrobras compra a US$ 1,50 gás do pré-sal, aqui no litoral, e vende a US$ 10”, afirmou.
Lembrou ainda que a Câmara votou a nova lei do gás com a promessa de que os preços cairiam, o que não aconteceu: “foi prometido pela Economia que haveria uma redução do preço do gás, mas, de lá para cá, o preço aumentou quase 60%, enquanto a Petrobras está tendo um lucro absurdo”.

Outro ponto destacado pelo deputado foi a prorrogação, em 2009, de todos os contratos de gasodutos da Petrobras por um período de 30 anos, sem pagamento adicional à União. “Mesmo tendo beneficiado a petroleira com esta vantagem, a estatal não reduziu um real na tarifa de transporte. Ao contrário, a Petrobras se aproveitou disso e cometeu apropriação indébita, vendeu gasodutos para empresas privadas, vendeu o que não era dela”, afirmou. O correto, segundo o deputado, seria a Petrobras devolver os gasodutos à União, que poderia negociá-los.