Legislativo teve coragem de cortar na própria carne, de punir quando necessário

06 de Novembro de 2019

“Conselho de Ética tem poder limitado para produzir provas; dependemos do que é produzido pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e que é compartilhado conosco”, completou.


Em cerimônia dos 18 anos do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados, o líder Elmar Nascimento (BA) ressaltou o trabalho conjunto dos deputados que integraram o colegiado e disse que, durante sua gestão, o conselho prestigiou a Constituição Federal, o processo legal, a ampla defesa e o contraditório, sem deixar de lado os valores da ética e a opinião pública.
Para ele, o Poder Legislativo deu demonstrações de ser o mais transparente de todos, aquele que mais teve coragem de cortar na carne e de punir quando necessário. Ao desejar coragem ao atual presidente do conselho, deputado Juscelino Filho (MA), Elmar Nascimento lamentou o atual momento de ódio vivido pelo país e disse que um dos desafios é separar “inviolabilidade da imunidade”, visto que muitos deputados são ofendidos por colegas.
Ao fazer um balanço das ações analisadas pelo conselho durante os dois anos em que exerceu a presidência do colegiado, Elmar Nascimento disse que muitos processos contra parlamentares chegaram para análise e que apenas um ficou inconcluso devido à falta de tempo.
“Conselho de Ética tem poder limitado para produzir provas; dependemos do que é produzido pela Polícia Federal, Ministério Público Federal e que é compartilhado conosco”, completou, lembrando que o trabalho feito por outros órgãos é demorado.