Efraim faz homenagem a Felipe Gomes no aniversário do CNEC

08 de Agosto de 2018

“O sertanejo é, antes de tudo, um forte”

Líder Dep. Efraim Filho - Pronunciamento e discurso no plenário da câmara - 13_12_2017 (2)

“O sertanejo é, antes de tudo, um forte”, como define Euclides da Cunha, em “Os Sertões”. Entretanto, o garoto Felipe Tiago Gomes seria bem mais forte que os seus pares ao vencer as dificuldades e empecilhos da vida sertaneja. Ferreira Gullar disse um dia que “em solo humano/ o nome é lançado/ (ou cai/ do acaso)”.

À luz da reflexão profunda: como um sujeito oriundo de um Brasil miserável e esquecido transforma-se em um grande educador reconhecido internacionalmente.

O paraibano Felipe Tiago Gomes e um grupo de amigos criaram, em João Pessoa, o CNEC no ano de 1943, em meio de grande recessão no Brasil.

Por vários anos esse visionário, sem se preocupar com ter de forma individual, em sua eterna peregrinação, divulgou uma ideia simples, mas generosa, capaz de esforços, antes esparsos, a favor da educação.

Mas o primeiro passo foi dado alguns anos antes, em Picuí, sua terra natal onde fundou e presidiu o Grêmio Líbero Cultural em 1938.

Iniciada com a Campanha do Ginasiano Pobre – CNEC nasce com a proposta de estender o projeto para vários estados do Brasil. Ninguém foi mais desprendido, antecipando profeticamente o que hoje o país inteiro reconhece como o maior desafio brasileiro de todas as épocas, a educação nacional.

Depois de 75 anos se transformou em uma rede brasileira de educação que atende desde a pré-escolaridade até pós-graduação em faculdades independentes e está presente em 18 estados Brasileiros. Perpetuando as palavras deste picuiense visionário.

Essa história foi escrita por muitos colaborares, sendo impossível citá-los neste momento. Mas vou me ater à trajetória de Felipe que merece ser divulgada para as gerações que não tiveram o privilégio de conhecer e conviver com este paraibano que realizou no Brasil o mais significativo Movimento Educacional de todos os tempos.

Sua obra não foi teórica. Sua contribuição para a educação foi eminentemente prática. Nas palavras dele “a obra do bem comum passa pela fraternidade e dura mais do que quem a faz”.

Naquela época, ele já sabia que não devia esperar só pelo Governo. O cidadão Felipe Tiago tinha que fazer a sua parte. Foi assim que o movimento se espalhou pelos rincões deste Brasil e foram implantadas mais de mil escolas cenecistas.  Para ele, este fato foi importante, mas não o tanto quanto a construção de milhares de amigos que ele arregimentou, sem os quais os seus sonhos estariam mortos.

Acredito Senhoras e Senhores que a melhor maneira, a forma mais adequada para encerrar esta Homenagem aos 75 anos  da CNEC  é lembrar, mais uma vez,  um  pensamento do professor Felipe Tiago, que bem define a filosofia  de vida de todos os cenecistas: “Hoje sou infinitamente menor e menos importante do que os meus próprios sonhos, até porque eles habitam outros seres, outras cabeças, outros corações”.