Cajado assume procuradoria da Câmara dos Deputados

06 de Fevereiro de 2013

O deputado do Democratas baiano foi indicado hoje ao cargo pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves O deputado baiano Claudio Cajado assumirá a procuradoria da Câmara Federal pelos próximos dois anos. O parlamentar foi indicado ao cargo nesta quarta-feira (6) pelo novo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). “É um cargo valoroso porque tem … Continue lendo Cajado assume procuradoria da Câmara dos Deputados

O deputado do Democratas baiano foi indicado hoje ao cargo pelo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves

O deputado baiano Claudio Cajado assumirá a procuradoria da Câmara Federal pelos próximos dois anos. O parlamentar foi indicado ao cargo nesta quarta-feira (6) pelo novo presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). “É um cargo valoroso porque tem como finalidade a defesa dos parlamentares nas questões que envolvam denúncias infundadas, ações movidas por diferentes esferas e, principalmente, em torno da imagem do parlamento da Casa. Portanto, a gente vai ter uma função honrosa que o partido nos designa. Fico extremamente feliz em representar o partido nessa nova função”, afirmou Cajado.

Cumprindo seu quinto mandato como deputado federal, o advogado Claudio Cajado Sampaio é natural de Salvador e tem 46 anos. Foi vereador na cidade baiana de Dias D´Avila de 1989 a 1992 e presidente da Câmara Municipal. No Congresso Nacional integrou a Comissão Mista do Orçamento. Na Câmara dos Deputados participou de Comissões como, Relações Exteriores e Ciência e Tecnologia. Atuou como vice-líder da Minoria no Congresso Nacional e vice-líder do partido na Câmara.

Entenda melhor     

A Procuradoria Parlamentar tem como finalidade defender a Câmara dos Deputados, seus órgãos e integrantes no exercício do mandato ou de suas funções institucionais, quando atingidos em sua honra ou imagem perante a sociedade.

Sua criação foi inspirada na Constituição de 1988, para dotar a Câmara Federal de um mecanismo de defesa contra ofensas a deputados e órgãos dirigentes da Casa.
O seu funcionamento é regido pelo artigo 21 do Regimento Interno e dispõe de corpo jurídico próprio para o cumprimento de suas finalidades.