Falta responsabilidade e sobra hipocrisia na crise da Amazônia, escreve Elmar Nascimento

28 de Agosto de 2019

Artigo originalmente publicado em Poder360 – 28/08/2019

A crise das queimadas da Amazônia tomou enormes proporções na última semana, tornando o Brasil o centro das atenções mundial, infelizmente, por um mau motivo. Para além da enorme desinformação e da guerra de versões que pauta o debate até aqui, uma coisa salta aos olhos: o governo brasileiro tem, sim, parte da razão ao seu lado, mas a forma como conduz o caso impede que muitos vejam assim.

No que o governo tem razão? Primeiro, é claro que é verdade que queimadas e desmatamento não são um problema novo. E que, definitivamente, não começaram neste governo. Para exemplificar, podemos usar os dados do próprio Inpe: o total de focos ativos de queimadas detectados no Brasil, de janeiro a julho deste ano, é menor do que a média dos registros para o mesmo período durante o governo do PT, de 2002 a 2015. O Inpe registrou 38.565 focos neste período de 2019, contra uma média de 43.965 na era PT para os meses equivalentes.

Se formos analisar a área queimada em km², ainda segundo o Inpe, em que pese verificarmos aumento na região Amazônica entre janeiro e julho de 2019, em relação à média respectiva durante o governo do PT, há diminuição se forem considerados todos os biomas brasileiros. São 57.827 km² em 2019, contra uma média de 70.073 km² no período de 2003 a 2014. Isso quer dizer que é um problema menor? Podemos ficar despreocupados? Claro que não! Quer dizer apenas que não é justo atribuir a este governo toda a culpa por um problema que assombra o Brasil desde sempre.

O segundo ponto no qual o governo está correto é quanto à necessidade de revisarmos a legislação ambiental brasileira e de rediscutirmos com o setor produtivo e com ambientalistas como podemos equilibrar desenvolvimento e preservação. A própria Câmara dos Deputados tem isso como pauta prioritária, e o Democratas está à frente desse processo, na discussão do licenciamento ambiental.

Mas o governo tem errado na retórica e nas ações. Em nada nos ajuda a guerra declarada contra os órgãos ambientais e organizações não-governamentais. Nem a paralisia que temos verificado nos conselhos gestores e nas superintendências dos fundos e órgãos ambientais. Pior ainda, não se justifica o discurso permissivo ao desmatamento, nem o obscurantismo que nega o consenso científico do aquecimento global. Tudo isso prejudica, e muito, a imagem do Brasil lá fora, e diminui nosso poder de negociação frente às outras nações.

Esses erros ofuscam, também, um terceiro ponto no qual acredito que o governo está com a razão: o Brasil é, sim, uma potência ambiental, e, é inegável que somos um exemplo para o mundo em questão de preservação. Percebe-se que alguns dos países desenvolvidos, notadamente a França, na figura de Emmanuel Macron, tentam se aproveitar dessas nossas falhas para impor barreiras aos nossos produtos e dificultar as negociações União Europeia-Mercosul. Agem como populistas, que acenam para uma base ineficiente que luta desesperadamente para manter medidas protecionistas. Ainda, é óbvio que Macron se aproveita da crise para se projetar internacionalmente e se contrapor à sua principal adversária na França, Le Pen.

Tudo isso é de uma hipocrisia muito grande. Na maior parte das vezes, a riqueza desses países se deu às custas de muita destruição e de pouco caso com o meio ambiente. Ainda hoje, gastam muito mais com armamentos, por exemplo, do que com ações em prol da sustentabilidade do planeta. Dados do Banco Mundial e do escritório de estatística da União Europeia, Eurostat, mostram que as despesas militares do bloco europeu são o dobro do que gastam com proteção ambiental. Considerando-se apenas a proteção da biodiversidade, o bloco gasta 15 vezes mais com armas. A França, em particular, gasta 23 vezes mais com armamentos do que com biodiversidade.

Além disso, as declarações de Macron sobre uma possível internacionalização da Amazônia são gravíssimas. Não se pode abrir mão de 1 milímetro que seja em termos de soberania. Devemos, sim, conversar com todos os países, como iguais, e dentro da melhor diplomacia , como é nossa tradição. E, nesse diálogo, precisamos cobrar uma agenda mais propositiva, que vá ao ponto fulcral, que é o financiamento da preservação. Exigir que eles abandonem esse discurso baseado somente em reclamações e ameaças. O mundo deve isso ao Brasil.

Acima de tudo, não se pode perder de vista que somos um país ainda tentando sair da maior crise econômica da nossa história. É um quadro no qual não podemos abrir mão de qualquer recurso disponível para nos auxiliar na luta pela preservação da Amazônia. Mais ainda, não podemos colocar em risco um acordo comercial que levou duas décadas para ser construído, ou impor ao nosso próprio agronegócio a ameaça de embargos comerciais. O governo deve reavaliar a sua conduta na área ambiental, parar de promover o conflito e jogar com mais inteligência na arena internacional. Quanto à oposição e aos países que realmente se importam com a preservação da Amazônia, precisam agir com maior responsabilidade e menos hipocrisia.