Excesso de “Gestão” e Falta de Engenharia

29 de Janeiro de 2019

Deputado José Carlos Aleluia – Artigo originalmente no jornal A Tarde do dia 29/01/2019

A crise, o oportunismo e a ganância podem mudar a escala de valores e prioridades de quem costuma olhar grandes empresas somente sob a luz do mercado financeiro. Desastres recentes são a prova disso. A nossa política para a infraestrutura precisa de mais engenheiros e menos “gestores”.

Atribui-se boa parte do sucesso da China ao foco na formação de engenheiros. Estima-se que o país entrega 300 mil profissionais por ano absorvidos pela alta demanda de sua infraestrutura e de negócios que suas empresas tocam ao redor do mundo.

Por outro lado, no breve período de crescimento econômico do Brasil na última década, o país sofreu com uma escassez de mão de obra técnica que se tornou um entrave na demanda por grandes projetos. Formamos pouco mais de 30 mil engenheiros por ano. Um número que reflete bem quem está à frente de nossas grandes empresas de produção.

Gosto muito de citar uma resposta atribuída a um estudioso chinês a uma pergunta de um jornalista ocidental para explicar as diretrizes da formação de mão-de-obra em seu país: “Os nossos engenheiros constroem pontes, enquanto seus economistas constroem sonhos”. Uma aula de capitalismo de onde menos se espera.

O excesso de “gestores” e sua obsessiva compulsão pelos números finais, em detrimento da atividade concreta das grandes empresas brasileiras, seja de mineração, seja de construção civil, leva a nossa infraestrutura à negligência. O foco deixa de estar na atividade concreta para concentrar-se na análise fria dos “ativos”.

Mas defender que a infraestrutura precisa ser tratada como política de estado e segurança nacional não quer dizer ceder à inocência socialista do estatismo dos meios de produção. O que o Estado precisa é criar ambientes institucional, financeiro e político seguros para que o capital privado (nacional ou estrangeiro) sinta-se estimulado a investir com previsibilidade, segurança jurídica e, acima de tudo, regulação.

É preciso ir um pouco além das usuais acusações contra o nosso controle ambiental. A verdade é que IBAMA e demais órgãos estão sendo desmantelados com método há décadas. Sai barato precarizar a engenharia de grandes obras porque essa é a equação de quem analisa as empresas sob a ótica fria dos balanços anuais.

O Brasil precisa saber que a maior parte da nossa infraestrutura está podre (hidroelétricas, ferrovias, estradas, linhas de transmissão, saneamento, etc) e carece de um choque de engenharia. “Boa sorte é o que acontece quando a oportunidade encontra o planejamento.”

Ou como costumamos dizer em sala de aula: “Nada sai mais caro na engenharia do que desconhecê-la”.