A fé que move os sertanejos

16 de Outubro de 2017

Felipe Maia – Deputado federal (DEM/RN)

Nas primeiras horas deste domingo no Brasil, os fiéis da Igreja Católica acompanharão com júbilo a canonização de 30 santos potiguares em uma única ocasião. É a primeira vez que tantos santos brasileiros serão reconhecidos publicamente pela Igreja. Os padres André de Soveral e Ambrósio Francisco Ferro, o leigo Mateus Moreira e mais 27 companheiros leigos serão canonizados pelo Papa Francisco, em cerimônia especial. Sagrados Protomártires do Brasil e padroeiros do Rio Grande do Norte, os mártires de Cunhaú e Uruaçu nos ensinam sobre fé e resistência do povo potiguar. Porém, antes de chegar ao reconhecimento de sua importância é válido ressaltar como a história aconteceu.

No ano de 1645, as lutas entre portugueses e holandeses ganharam um triste capítulo. Motivados pela cobrança de impostos e empréstimos aos senhores de engenhos portugueses que os holandeses sucederam inúmeras batalhas em terras nordestinas. Além disso, a hostilidade holandesa foi acirrada pela questão religiosa, tendo em vista que os holandeses instalados no Nordeste brasileiro eram protestantes calvinistas.

O catolicismo professado pelos portugueses estava ameaçado de prosperar. Mais precisamente em 16 de julho do mesmo ano, o malfeitor alemão que estava a serviço dos holandeses, Jacob Rabbi, ordenou que fechassem as portas da Igreja onde era realizada a missa e assassinassem os fiéis do engenho de Cunhaú, localizado no município de Canguaretama.

Três meses após do primeiro massacre, cerca de 80 fiéis foram cruelmente mortos na comunidade de Uruaçu, em São Gonçalo do Amarante, por mais de 200 holandeses e índios potiguares. As vítimas tiveram partes dos seus corpos mutiladas, brutalidade que não poupou nem as crianças presentes. O camponês Mateus Moreira, por exemplo, teve seu coração arrancado pelas costas e morreu confessando sua fé.

Alguns séculos depois, a história dos mártires ganhou outro capítulo para os potiguares e brasileiros. No ano de 2000, os Protomártires do Brasil foram beatificados pelo papa João Paulo II e, a partir desse momento passaram a ser reconhecidos oficialmente pela Igreja Católica. Neste final de semana, a Praça de São Pedro, no Vaticano, será palco da santificação, cerimônia que será acompanhada por arcebispos, sacerdotes e inúmeros potiguares que prestigiarão de perto este acontecimento.

Como coordenador da bancada federal, acompanho a comitiva de parlamentares e autoridades potiguares e brasileiras neste importante dia para os católicos. Vamos testemunhar este feito inédito para o RN e renovar as esperanças em nosso estado que tem sofrido duramente os reflexos de uma estiagem que dura sete anos. Ocupei por diversas oportunidades a tribuna do Plenário da Câmara dos Deputados para explanar a situação e, em conjunto com a bancada, articulei encontros nos ministérios, com o intuito de procurar uma solução para a destinação de recursos que pudessem cessar este sofrimento.

Sem dúvida, uma situação grave e urgente, pois dos 167 municípios do RN, 153 declararam estado de emergência. A pior seca na história do estado trouxe mais de R$ 4 bilhões de prejuízos no setor agropecuário, sendo 72% de perdas na agricultura e o restante na pecuária. A isso, soma-se o fato dos 47 reservatórios potiguares, 11 estarem secos e outros 18 em volume morto, situação atestada também por outros estados nordestinos. Segundo o Monitor de Secas do Nordeste, no período de 2012 a 2017, o nível dos reservatórios passou de 67% para 15%. Solução perseguida há anos, a Transposição do São Francisco ainda não se concretizou para os potiguares. Esta é uma luta que os deputados e senadores buscam incessantemente diante de tantos imbróglios de ordem burocrática a serem destravados.

Água é dignidade, trabalho, estudo, comida na mesa dos homens e mulheres de bem deste país. E é essa fartura que não se vê na mesa dos nordestinos que ocupam o semiárido nordestino, população que padece na ânsia por dias melhores. Quase que mártires da atualidade, o povo que sofre com os efeitos da seca, encontra na fé a força para superar as intempéries. Que os nossos santos mártires possam abençoar o nosso estado e diminuir o sofrimento dos mais humildes.